Google Website Translator

sábado, 27 de fevereiro de 2010

A conturbada carreira dos Boeing 707 da Varig

No final dos anos 50, a Varig tinha estabelecido firmemente sua primeira linha internacional de longo curso, ligando várias cidades brasileiras a Nova York, nos Estados Unidos. Os equipamentos então utilizados eram os luxuosos Lockheed L-1049G Super Constellation, que imprimiram à rota uma imagem de glamour e elegância.
Muitos problemas se escondiam, entretanto, por trás de todo esse luxo: os Constellation eram excelentes aeronaves, mas o mesmo não se pode dizer dos seus motores e hélices. A Varig chegou mesmo a perder um deles por problemas técnicos em 1957, na República Dominicana, embora seus mecânicos fossem muito competentes e experientes. Outro problema era a baixa velocidade dos aviões. Os voos frequentemente duravam cansativas 25 horas.

Na mesma época, no entanto, uma revolução estava em curso. Em 1958, a Pan Am introduziu na rota do Atlântico Norte uma aeronave a jato, o Boeing 707, que podia transportar um número bem maior de passageiros, com quase o dobro da velocidade e ainda por cima com custo menor. A Pan Am também introduziu em serviço, na mesma época, outro jato da mesma categoria, o Douglas DC-8.

É óbvio que tal revolução não poderia passar desapercebida das demais empresas aéreas. A Varig sentiu que, caso a Pan Am resolvesse voar para o Brasil de jato, os voos de Super Constellation estariam liquidados. Então, a diretoria da empresa resolveu adquirir aeronaves a jato. Em setembro de 1957, a Varig encomendou à Boeing 2 jatos 707-441. Adicionalmente, a empresa também encomendou dois jatos bimotores Sud Aviation Caravelle I, para atender as linhas domésticas principais.

Como a linha de produção do 707 estava repleta de encomendas, a entrega das aeronaves demorou muito. Os Caravelles chegaram primeiro, e ao invés de atender linhas domésticas, foram imediatamente colocados na linha para Nova York, em 12 de setembro de 1959, dividindo a mesma com os Constellation. Eram dois voos com os Caravelle e três com os Constellation por semana.
Finalmente, em 22 de junho de 1960, o primeiro Boeing 707-441, matriculado PP-VJA, chega ao aeroporto do Galeão, já trazendo passageiros pagantes de Nova York. A Varig deixou de usar a sequência de matrículas do lote PP-VEA a PP-VIZ e passou direto para VJA, o "J" significando "jato".
O PP-VJA foi apresentado ao público em Porto Alegre da mesma maneira como o Super Constellation cinco anos antes, com um voo rasante sobre a pista. Isso certamente ficou na lembrança de quem viu e, principalmente, ouviu. O ruído produzido pelos motores Rolls-Royce certamente deixou a sua marca. Uma banda, contratada pela Varig e que estava tocando na hora do pouso, ficou desconcertada com o barulho e saiu totalmente do ritmo.

Os dois primeiros 707 da Varig, os PP-VJA e PP-VJB, eram do modelo 441. Os Boeing 707 série 400 (41 identificava o operador inicial, no caso, a Varig) eram equipados com quatro motores turbofan Rolls-Royce Conway MK-508-40, de 17.500 lbf de empuxo cada um. Esses motores eram mais econômicos que os turbojatos Pratt & Whitney usados nos 707 da Pan Am, conferindo uma maior autonomia e que permitia voar entre o Brasil e Nova York sem escalas pela primeira vez na história.

No início da carreira no Brasil, a pista do Aeroporto do Galeão passou por uma ampliação, impedindo temporariamente a operação dos 707 na mesma. Os voos passaram então a sair do novíssimo aeroporto de Brasília, a recém inaugurada capital do Brasil, até a conclusão das obras. O trecho entre Brasília e o Galeão era feito com os Caravelle. Esses problemas baixaram o nível de utilização do avião e a Varig resolveu arrendar o PP-VJB para a companhia israelense El Al, entre dezembro de 1960 e maio de 1961. Essa aeronave passou a voar entre Nova York e Tel Aviv, com uma escala intermediária, com tripulação mista Varig - El Al.
O PP-VJA carregando um motor extra, em um pod abaixo da asa
Em agosto de 1961, a Varig adquiriu o controle acionário do consórcio REAL-Aerovias-Nacional. Entre as linhas operadas pelo consórcio, estava uma ligando o Rio de Janeiro a Los Angeles e Toquio, no Japão. A Varig colocou, a partir de 18 de novembro de 1961, o Boeing 707 nessa linha, mas somente até Los Angeles, com escalas em Lima, Bogota e Cidade do México.

Foi justamente nessa linha de Los Angeles que a Varig sofreu sua primeira grande tragédia da era do jato. A tripulação do PP-VJB, na madrugada do dia 27 de novembro de 1962, cometeu um erro de navegação na aproximação para o Aeroporto de Lima-Callao, no Peru, e o avião bateu na montanha de La Cruz, vitimando todos os 17 tripulantes e 80 passageiros a bordo. As 97 vítimas do voo 810 sustentaram por 11 anos o infeliz recorde de maior acidente com uma aeronave comercial brasileira, até o desastre do voo Varig 820, em Paris, em 1973.
O PP-VJB, acidentado em Lima, no Peru em 1962.
A perda do PP-VJB foi desastrosa em todos os sentidos para a Varig. Era um dos únicos dois Boeing 707 da empresa, e sua perda teve que ser reposta às pressas nas linhas por qualquer avião que estivesse disponível. Até os Lockheed Electra II entraram em operação nos voos para os Estados Unidos. Somente em novembro de 1963, um ano depois, é que o PP-VJB foi substituído por um novo Boeing 707-441, matriculado PP-VJJ. O PP-VJJ foi o último Boeing 707 da série -400 a ser fabricado.
O PP-VLK, operando exclusivamente carga, em Los Angeles, 1984

Em 1963, os dois Caravelles remanescentes, devido à sua pequena capacidade de passageiros, foram vendidos. A frota de jatos da Varig foi acrescida, entretanto, de três Convair 990 Coronado, adquiridos pelo consórcio REAL-Aerovias-Nacional, absorvido pela Varig. Em 1965, a Varig passou ainda a operar dois Douglas DC-8 que vieram da Panair do Brasil, cujas operações foram suspensas pelo Governo Federal por razões até hoje não muito bem explicadas. A Varig foi a única empresa aérea do mundo a operar simultaneamente os três modelos de quadrijatos americanos da primeira geração.

Em agosto de 1965, a Varig resolveu aumentar sua frota internacional, encomendando novas aeronaves Boeing 707 da série -300, com motores turbofan Pratt & Whitney JT-3D, que se tornaram depois os modelos definitivos do 707. Os primeiros aviões 707-341C a operar na Varig, matriculados PP-VJR e PP-VJS, chegaram ao Brasil em 28 de dezembro de 1966. Em 22 de março do ano seguinte, chegou o PP-VJT. Essas três aeronaves foram os únicos Boeing 707-341C encomendados diretamente ao fabricante pela Varig. As demais 14 aeronaves foram encomendadas por outros operadores antes da Varig e várias chegaram ao Brasil já bastante usadas.
Decolagem de Boeing 707 da Varig
Todos os Boeing 707 série -300 operados pela Varig eram tipo Combi, conversíveis carga-passageiro. Como as passagens eram caras, o transporte de carga compensava a eventual falta de passageiros. Os Boeing 707 foram o esteio da aviação internacional da Varig para a Europa, Estados Unidos e Japão até a chegada dos McDonnell-Douglas DC-10, em 1974. A linha para o Japão. via Los Angeles, foi reiniciada em 1968 com a chegada dos Boeing 707-300C.
Um erro de manutenção colocou fim prematuro na carreira do PP-VJR

Sem dúvida alguma, os Boeing 707 marcaram toda uma época na aviação brasileira, assim como aconteceu no resto do mundo. Mas a carreira deles foi bastante conturbada. A primeira perda, já citada, foi a do PP-VJB em 1962. Em 07 de setembro de 1968, o PP-VJR foi perdido em um incêndio no hangar da Varig no Aeroporto do Galeão, durante trabalhos de manutenção. Um mecânico, ao trocar as garrafas de oxigênio resolveu lubrificar as conexões com graxa, que entrou em combustão espontânea e incendiou a aeronave inteira.
Em 1969, o Boeing 707-345C PP-VJX foi sequestrado duas vezes e desviado para Cuba, mas sem vítimas a bordo. Em 1970, o PP-VJX foi novamente sequestrado, tornando-se uma espécie de recordista mundial nesse tipo de evento.

Em 9 de junho de 1973, o PP-VLJ, um B707-327C, acidentou-se na aproximação da pista 14 do Aeroporto do Galeão, proveniente de Viracopos. Era um voo de carga, com quatro tripulantes a bordo. O avião caiu no mar devido à operação marginal dos spoilers na aproximação, batendo nas torres do ALS e afundando na Baía da Guanabara. Dois dos quatro tripulantes faleceram no acidente.
O PP-VJZ, destruído num acidente em Orly, 1973.

Pouco mais de um mês depois, uma tragédia muito maior atingiu o voo Varig 820, operado pelo B707-345C matriculado PP-VJZ. Um incêndio na cabine de passageiros, iniciado em um dos toaletes traseiros, forçou a tripulação a pousar antes da pista do Aeroporto de Orly, em Paris, em 11 de julho de 1973. Embora o pouso tenha sido bem sucedido, somente um, dos 117 passageiros a bordo, sobreviveu.

Dos tripulantes, 10 dos 17 a bordo sobreviveram, se refugiando dentro do cockpit e saindo do avião pelas janelas do mesmo, após o pouso. As mortes foram causadas pela fumaça tóxica a bordo. Até aquela data, foi o pior desastre aéreo da Varig e de qualquer avião matriculado no Brasil.
A vítima seguinte foi o PP-VJT, um B707-341C, em 11 de junho de 1981. Essa aeronave fazia um voo de carga para o Aeroporto Eduardo Gomes, em Manaus, e aquaplanou na pista encharcada quando pousou com velocidade de 148 Knots, batendo no balizamento, o que causou o colapso do trem de pouso direito e perda total da aeronave. Não houve vítimas entre os 3 tripulantes da aeronave.
Os Boeing 707 utilizados pela Varig frequentaram as principais rotas da empresa por muitos anos, e podiam ser vistos quase diariamente nos aeroportos de Paris, Nova York, Londres, Tóquio, Lisboa, Madri e Johannesburgo. Essa aeronave foi responsável pela grande expansão nas rotas internacionais da empresa nos anos 60 e 70.
Para os pilotos, era uma aeronave complexa e manhosa. Seus comandos de voo mecânicos exigia um bom preparo físico, por serem bastante pesados. Como jato de primeira geração, era muito pouco automatizado, dando muito trabalho a todos os tripulantes, mas em especial ao engenheiro de voo. O sistema de navegação por radar Doppler, introduzido nos pioneiros VJA e VJB, era bastante complicado e impreciso, e a margem de erro em um longo voo de 11 horas para a Europa, por exemplo, podia chegar a 20 milhas náuticas. O cockpit da aeronave era bastante apertado para os 6 tripulantes, especialmente em longos voos de carga, lembrando, nas palavras do experiente Comandante José Geraldo de Souza Pinto, um submarino.
Boeing 707 cargueiro da Varig, em Zurich, 1978

A partir de 1974, os Boeing 707 começaram a ser progressivamente substituídos por aeronaves wide-bodies, os McDonnell-Douglas DC-10, inicialmente nas linhas de maior prestígio e movimento. Como resultado disso, muitos passaram a atender linhas africanas, como Abdijan e Joahannesburgo, e voos exclusivos de carga. Em 1979, os dois pioneiros 707-441 foram vendidos.
O PP-VLO em Los Angeles, 1980

Ainda em 1979, ocorre o misterioso desaparecimento do PP-VLU. A aeronave decolou do Aeroporto de Narita, no Japão, com destino a Los Angeles e Galeão, às 20 horas e 23 minutos do dia 30 de janeiro de 1979. Era um voo de carga, que carregava, entre outros ítens, 153 quadros do pintor japonês, naturalizado brasileiro, Manabu Nabe. O comandante do avião, 22 minutos depois de decolar, fez a primeira comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo, e tudo estava normal. Mas não houve nenhuma outra comunicação e o PP-VLU desapareceu para sempre, sem deixar vestígios. Até hoje, ninguém sabe o que aconteceu com o avião. O comandante do voo, Gilberto Araújo da Silva, que também comandava o malfadado voo 820 em Orly, em 1973, e mais cinco tripulantes se foram junto com o avião.
A década de 1980 representou o fim da linha para os Boeing 707 na empresa. Em 1982, a Transbrasil comprou o PP-VJS, último remanescente da encomenda original de 707-441C feita à Boeing em 1965. Em 1986, a Força Aérea Brasileira resolve adquirir da Varig quatro aeronaves, para convertê-los em aviões tanques para reabastecimento no ar KC-137.

O primeiro desses aviões deveria ter sido o PP-VJK. No último voo que a aeronave fazia na Varig, antes de ser entregue à FAB, em 03 de janeiro de 1987, o VJK perdeu o motor #1, algum tempo depois de decolar de Abdijan, Costa do Marfim. Ao retornar ao aeroporto, a tripulação perdeu o controle da aeronave e a mesma se precipitou na selva, matando 12 tripulantes e 38 passageiros. Milagrosamente, um dos passageiros sobreviveu ao desastre.
Os aviões selecionados pela FAB foram os PP-VJK (FAB 2400), PP-VJY (FAB 2401), PP-VJX (FAB 2402) e PP-VJH (FAB 2403). Com a perda do PP-VJK, a Varig substituiu-o em março de 1987 pelo PP-VLK, que se tornou o FAB 2404. As aeronaves começaram uma nova carreira como aviões militares, inclusive transportando por um bom tempo o Presidente da República, e permaneceram em serviço até outubro de 2013.

A história dos KC-137 da FAB foi contada no artigo publicado neste blog no link: http://culturaaeronautica.blogspot.com/2009/08/os-boeing-707-na-forca-aerea-brasileira.html.

Finalmente, a Varig retirou de serviço seus últimos 707 em 1989, e todos os remanescentes foram vendidos.

Logo abaixo, pode se ver a relação completa dos Boeing 707 operados pela Varig em seus 29 anos de carreira. Seis dos vinte aviões foram perdidos em acidentes na empresa, e um foi destruído no hangar:

PP-VJA: Boeing 707-441, c/n 17905, comprado novo e entregue em 07 de junho de 1960. Foi vendido em 10 de abril de 1979 para a RDC Marine, como N59RD. Desmontado em Houston em 1990;

PP-VJB: Boeing 707-441, c/n 17906, comprado novo e entregue em 16 de junho de 1960. Acidentou-se com perda total em Lima, Peru, em 27 de novembro de 1962;

PP-VJH: Boeing 707-320C, c/n 20008, comprado novo e entregue em 14 de julho de 1969. Vendido para a FAB em 13 de março de 1986, onde operou como FAB 2403.Foi desmontado;

PP-VJK: Boeing 707-379C, c/n 19822, comprado novo e entregue em 04 de novembro de 1968. Acidentou-se com perda total em Abdijam, Costa do Marfim, em 03 de janeiro de 1987;

PP-VJJ: Boeing 707-441, c/n 18694, comprado novo e entregue em 22 de outubro de 1963. Vendido em 03 de setembro de 1979 para a RDC Marine, como N58RD. Provavelmente desmontado em Goma, Uganda, onde sofreu um incidente em 20 de dezembro de 1991;

PP-VJR: Boeing 707-341C, c/n 19320, comprado novo e entregue em 28 de dezembro de 1966. Foi destruído em um incêndio no hangar da Varig no Aeroporto do Galeão, em 07 de setembro de 1968;

PP-VJS: Boeing 707-341C, c/n 19321, comprado novo e entregue em 28 de dezembro de 1966. Foi vendido para a Transbrasil em 29 de setembro de 1982. Desmontado em Kansas City entre 1999 e 2000;

PP-VJT: Boeing 707-341C, c/n 19322, comprado novo e entregue em 22 de março de 1967. Acidentou-se com perda total em Manaus/AM, em 11 de junho de 1981;

PP-VJX: Boeing 707-345C, c/n 19842, comprado pela Seabord, mas não entregue. Veio novo e entregue em 06 de agosto de 1968. Foi sequestrado três vezes. Foi vendido para a FAB em 12 de novembro de 1986, onde operou como FAB 2402; Permanece estocado e à venda na Base Aérea do Galeão (jan/2017);

PP-VJY: Boeing 707-345C, c/n 19840, arrendado da Seabord em operação de lease back, veio novo e entregue em 26 de fevereiro de 1968. Foi vendido para a FAB em 04 de julho de 1986, onde operou como FAB 2401. Voou muito tempo como aeronave presidencial, e foi apelidado pejorativamente de "Sucatão"; Foi desmontado, a despeito do seu grande valor histórico;

PP-VJZ: Boeing 707-345C, c/n 19841, arrendado da Seabord em operação de lease back, veio novo e entregue em 06 de março de 1968. Acidentou-se com perda total nas proximidades de Orly, França, em 11 de julho de 1973 (foto abaixo);
PP-VLI: Boeing 707-385C, c/n 19433, fabricado em 1966, comprado usado da American Airlines, onde era N8400 e entregue em 1º de setembro de 1971. Vendido em junho de 1989 para a ALG/Buffalo AW. Acidentou-se em Asmara, na Eritréia, em 25 de março de 1991;

PP-VLJ: Boeing 707-327C, c/n 19106, fabricado em 1966, foi comprado usado da Braniff, onde era N7097, e entregue em 24 de novembro de 1971. Acidentou-se com perda total no Rio de Janeiro, em 9 de junho de 1973;

PP-VLK: Boeing 707-324C, c/n 19870, fabricado em 1968, foi comprado usado da Continental, onde era N47332, e entregue em 30 de março de 1972. Foi vendido para a FAB em 16 de março de 1987, onde operou como FAB 2404;

PP-VLL: Boeing 707-324C, c/n 19871, fabricado em 1968, foi comprado usado da Continental, onde era N67333, e entregue em 14 de abril de 1972. Foi vendido para a Ecuator Leasing em 2 de dezembro de 1987. Desmontado em Luanda, Angola, em 1999;

PP-VLM: Boeing 707-324C, c/n 19869, fabricado em 1968, foi comprado usado da Continental, onde era N47331, e entregue em 04 de setembro de 1972. Vendido para a Ecuator Leasing em 14 de novembro de 1987. Estocado em Luanda, Angola, desde 1999.

PP-VLN: Boeing 707-324C, c/n 19177, fabricado em 1966, foi comprado usado da Continental, onde era N17325, e entregue em 7 de abril de 1973. Foi vendido para a ALG/Buffalo em agosto de 1989. Desmontado em Ostende, Bélgica, onde foi abandonado pela Uganda Airways, em 30 de junho de 2004 (foto abaixo).
PP-VLO: Boeing 707-324C, c/n 19350, fabricado em 1966, foi comprado usado da Continental, onde era N17327, e entregue em 7 de abril de 1973. Foi vendido para a Heavylift em 23 de janeiro de 1990 e provavelmente ainda opera na Trast Aero, no Quirquistão, como EX-120;

PP-VLP: Boeing 707-323C, c/n 18940, fabricado em 1965, foi comprado usado da American Airlines, onde era N7561A, e entregue em 20 de abril de 1973. Foi vendido em 20 de junho de 1989 para a ALG/Buffalo. Voou provavelmente até 2006 e está estocado em Sharjah, Emirados Árabes Unidos

PP-VLU: Boeing 707-323C, c/n 19235, fabricado em 1966, foi comprado usado da Continental, onde era N7562A, e entregue em 28 de março de 1974. Desapareceu no Oceano Pacífico, após decolar de Narita, Japão, em 30 de janeiro de 1979.

41 comentários:

  1. Artigo excepcional Jonas! Incrível ainda é ver o 2401 na ativa e saber que o mesmo rasgou os céus na cores da Pioneira. Tenho um artigo que fala dos 707 que acabaram os dias em Manaus, depois envio o link pra voce.

    ResponderExcluir
  2. ESSE AVIO FEZ HISTORIAS, TRNSPORTOU REIS E RINHA, CHEFE DE ESTDOS E ATE MENDINGOS,HJ ESTO EMCOSTDOS EM DESERTOS , EROPORTOS DE TODO O MUNDO SAO GRNDES CRIDOROS DE RATOS E BARTASM ENQUNTO UMS SE DETEORA NO TEMPO OUTROS SEGUE FIRME E FORTES A EXEMP. DO 707 DA FAB. GRAÇA A PERFEITA MANU, GRANDE E BARULHENTO MIS LINDI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara... quase não entendi o que você escreveu... que língua é essa ?

      Quem escreve em maiúsculas está gritando, não sabes ?

      Aumente a dose do Rivotril e do Valium antes de postar, ok ?

      Excluir
    2. Meu Deus esse Xrace foi abdusido

      Excluir
  3. Parabéns pelo artigo. Adoro aeronaves e sempre quis saber a história desses monstros aéreos que ainda hoje rasgam os céus do Brasil graças a FAB, proporcionando a nós, ver essas aeronaves e ouvir esse ruído que mais parece música para nossos ouvidos!

    ResponderExcluir
  4. Bah, artigo perfeito! Parabéns, Jonas! Trabalho de pesquisa da melhor qualidade!

    ResponderExcluir
  5. AMO A VARIG!!A ERA GLAMUROSA DA AVIAÇÃO! ONDE VOAR ERA UM GRANDE ACONTECIMNENTO! ERA DO GLAMOUR! HOJE VIVEMOS AERA DAS BARRAS DE CEREAIS\!! MUITO TRISTE!!ERA LINDO VOAR E NA VARIG ENTÃO!!

    ResponderExcluir
  6. Fantástico trabalho. Quem não tem passado não terá futuro. Essa Varig que aí está não tem nada a ver. Tem cara de Gol e barrinha de cereal mesmo. Cheguei a entrar em um 707-Combi em São José dos Campos a uns 30 anos. Meu primo, vou citar o nome porque se alguem era da Varig na época vai lembrar: Edmelson Passos, mais conhecido como "Edinho" era o agente para todo o Vale do Paraiba e muito respeitado no segmento por ter vindo SwissAir. Mesmo agora tanto tempo depois as imagens são claras na minha mente. A grande porta de Carga levantada. As turbinas em baixa rotação e a atividade dos tratores retirando as poltronas que saiam em blocos. Menos de duas horas e a aeronave estava convertida.
    É muita emoção. Imagino como deve ser pra quem operou êsse equipamento. Muito obrigado pela matéria.

    ResponderExcluir
  7. olaaaaaaaa........trabalhei no aeroporto antigo galeao na ilha do governador nesta epoca 1973/75. agente conhecia o horario de chagada de cada aviao da varig e era exatemente pelos prefixo pp vjt(tango).... sua memoria e viva, voce tinha que ir no programa do Jo, existe muita coisa que esta nova geracao nao sabe.........abracaooo

    ResponderExcluir
  8. Muito bom relembrar a aviação comercial de antigamente. No mes passado estive nos Estados Unidos e fiz uma viagem interna de Los Angeles a Honolulu pela Delta; além do pobre serviço de bordo inclusive qualidade dos lanches vendidos os americanos inventaram mais uma que logo deve chegar ao Brasil; o passageiro só tem direito a uma bagagem de mão; as outras malas custam independentemente do peso $ 25,00 (vinte e cinco dolares). O que mais falta inventar a titulo de economia ??

    ResponderExcluir
  9. a aeronave recordista mundial em sequestros esta hoje em mãos militares...quero ver alguem sequestrar ele de novo!

    ResponderExcluir
  10. Para mim, gaúcho, é sempre bom ouvir ou ler algo sobre a VARIG, Parabéns pelaimparcialidade do artigo e pela história tão bem contada, dessa que é uma das maiores aeronaves de todos os tempos e minha preferida, em se tratando de antigas...grande abraço...

    ResponderExcluir
  11. VARIG um simbolo gaúcho e brasileiro!
    Lamentavelmente o governo LULA negou auxilio a esta empresa enquanto isso despejou bilhões de reais pelo mundo fazendo caridade com o nosso dinheiro.concidentemente o sr. José Dirceu era (ou é) ligado a uma empresa concorrente (muito mistério)
    a Varig era conhecida mundialmente e uma casa brasileira no exterior até hoje não superada. saudades da pontualidade ,cortesia ,respeitoebons serviços da VARIG.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As agências da Varig no exterior chegavam a ser mais prestigiadas que os próprios consulados brasileiros. Só mesmo uma legião de apátridas teria a ousadia de destruir deliberadamente esse símbolo brasileiro, e principalmente gaúcho.

      Excluir
    2. VARIG aliada do regime militar, aliada da "detonação"da PANAIR na calada da noite. Viveu as sombras do estado enquanto pode. quando foi para a concorrência, quebrou. Esqueçam esse negócio de bairrismo gaúcho. Tudo ilusão. A VARIG bebeu do próprio veneno. Leiam on documentário POUSO FORÇADO.

      Excluir
    3. Sim, tenho orgulho por ter trabalhado na VARIG em NYC,RIO e como tripulante (Executive hostess) entre 1959 e 1967.

      Excluir
  12. fui funcionario da Varig por 25 anos 1978 a 2003 trablhei no almox 01 de material aeronaitico area-industrial galeão . realmente otima materia .

    ResponderExcluir
  13. Oi.
    Fui mecânico de motores na Área Industrial da Varig-GIG e cheguei a trabalhar nos 707. Aqueles motores JT-3 deixavam nossos macacões azuis,pretos...kkkk É uma bela máquina.
    Ótimo artigo.

    ResponderExcluir
  14. Só pra atualizar. PP-VLK, FAB 2404, acidentou-se em Porto Príncipe - Haiti em maio 2013. Aeronave teve um disparo no motor # 4 que ocasionou sua saída da pista. Este acidente aposentou de vez o 707 no Brasil.

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo excelente artigo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Muito boa a matéria,meu pai foi master dos 707 da Varig, isto é uma coisa que me deixa saudades até hoje, voei nestas aeronaves para os Estados Unidos e para a Europa, além de muitos voos dentro do Brasil, fantastico era a única aeronave que batia asas, muitas saudades...

    ResponderExcluir
  17. Além do mais,na era jato, usava telegrafo e sextante a bordo, que loucura...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. boa noite, em 1970 a varig iniciou operações com o 727/100 que tambem tinham alojamento no teto da cabine de comando inclusive c/ponto no piso p/instalação de um assento p/o navegador não chegou a ser usado, não existia mais a carreira de navegador e radio operador de vôo este ultimo extinto dvd a introdução do HFSSB que substituia o telegrafo (dois tripulantes a menos no cockpit) foi-se a era romantica da aviação e tome barrinha de cerêais assentos apertadissimos e economia na base da porcaria ,julqsq.

      Excluir
  18. no meu comentario acima faltou infomar que os 727/100 RG eram novissimos (1970) mas ainda possuiam sextantes a bordo embora não mais utilizados dvd extinção dos NAV/ROV. ABUELOQSQ

    ResponderExcluir
  19. FAB2404 (ex. PP-VLK), acidentou-se no Haiti em 26/05/2013 (http://aviation-safety.net/database/record.php?id=20130526-0)

    ResponderExcluir
  20. Só para atualizar: Os 707 da FAB foram desativados no fim de 2013. Qual foi o destino para eles? Desmonte??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Willer, pelo o que fiquei sabendo, os FAB 2401 e 2403 foram realmente desmanchados, ou seja, o velho "Sucatão", se foi. O FAB 2404 foi ou está sendo desmontado no local onde foi acidentado, e deverá ir para o MUSAL - Museu Aeroespacial, no Rio de Janeiro. Não sei o que ocorreu com o FAB 2402.

      Excluir
  21. O glamour foi substituído pela eficiência. Os tempos mudam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eficiência é, de fato, bem-vinda, mas o que se vê hoje na aviação comercial brasileira tem outro nome: mediocridade.

      Excluir
  22. muito interessante,
    achei esta replica original a venda

    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-664989733-aviao-varig-antigo-boeing-707-pp-vja-restauro-raro-_JM

    ResponderExcluir
  23. achei que voce poderia utilizar as fotos deste anuncio por curiosidade sobre esta materia! pra ilustrar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela contribuição. Vou salvar a foto, talvez a inclua no blog, se o dono autorizar.

      Excluir
  24. A VARIG tinha rotas esdruxulas. Por que que diabo tinha de voar para a Costa do Marfim? Caso semelhante foi a VASP voar para Casablanca. Será que dava "break even" nesses voos?

    ResponderExcluir
  25. Jamais esqueçam o assassinato da Panair do Brasil pela Ditadura, em 1965, graças a um sinistro conluio do "Herr Berta" e seus asseclas, Leiam "Pouso Forçado" de Daniel Leb Sasaki, ed. Record. Eu fui uma das 5.000 vítimas da nogenta articulação, nos meus 19 anos, sem pai nem mâe. Varig só voava EU e a Panair Europa, e África, filé mignon abocanhado pela Varig na marra e deficitária na época.

    ResponderExcluir
  26. a varig sempre vai ficar no meu coracao....foi uma delicia voar do rio de janeiro p nova york em 15 de julho de 1987...voo 860..obrigado

    ResponderExcluir
  27. Excelente reportagem , muito bem elaborada.Parabéns.
    A Varig foi uma Empresa comprometida com o passageiro.
    Deixou saudades !

    ResponderExcluir
  28. Espetacular artigo ! parabéns ! Em junho de 88 quando eu estava na EVAER em Porto Alegre entrei em um 707 da Varig que estava sendo desativado, onde tirei umas fotos. Um espetáculo de aeronave. Uma pena não tenhamos preservada uma dessas jóias voadoras em um museu no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Unknow, se possível poste as fotos se tiver um blog ou mande.para o autor deste daqui postar ! Devem ser interessantés !

      Excluir
  29. Meus melhores momentos na vida foram trabalhando na VARIG.
    Adorei o artigo.

    ResponderExcluir

Gostou do artigo??? Detestou? Dê a sua opinião sobre o mesmo.